Bruno Carramenha (Painelista), Denise Cecatto (Smartcom), Claudio Rawicz (Painelista), Silvana Piñeiro Nogueira (Smartcom), José Luis (Supera) e André Caldeira (Painelista)

A comunicação precisa estar alinhada com a estratégia da empresa, afinal, ela é uma das parceiras da organização na busca de resultados

Por muito tempo, o profissional de comunicação era visto como aquele que produzia o “jornalzinho” da empresa, contudo, esse rótulo ficou para trás e, hoje, o setor de comunicação tornou-se um parceiro estratégico do negócio. Mas, afinal, quais as tendências para a gestão da comunicação? Como deve ser a comunicação com empregados? Quais os desafios para os próximos anos? Essas e outras questões foram debatidas durante o Painel Tendências da Gestão da Comunicação – Comunicação com empregados e o desafio do engajamento”, realizado na FAE Business School, no último dia 10.

O evento, promovido pela Smartcom – Inteligência em Comunicação em parceria com a Supera Comunicação e a FAE Business School, teve a mediação da   consultora de imagem e posicionamento da Smartcom, Denise Revelk Cecatto, e reuniu importantes nomes da comunicação, além de profissionais da área e estudantes de Jornalismo, Relações Públicas, Marketing, entre outros.

Um dos painelistas do evento foi o gerente de comunicação interna da Renault do Brasil, Cláudio Rawicz. “Não existe mais essa visão por parte dos gestores, não somos simplesmente produtores de jornais internos. Nós, profissionais de comunicação, somos parte do negócio e contribuímos diretamente para os resultados da organização”, expõe.

Para ele que está há 18 anos no mercado, a comunicação dentro das empresas precisa ter três funções: social, ou seja, os colaboradores devem se manter motivados e confiantes, para isso a comunicação deve ser transparente; business, isto é, o colaborador precisa ser um embaixador da marca, para tanto deve conhecer o produto e informativa, significa que diferentes canais devem atingir os empregados e, até mesmo, seus familiares. Quanto aos desafios da área, Rawicz afirma que a comunicação tem que ser verdadeira, relevante, coerente e contínua.

André Caldeira, CEO da Consultoria de Carreira Propósito, também enriqueceu a discussão com a sua experiência de mercado. Para Caldeira, a comunicação interna tem o papel de orientar, alinhar e envolver os colaboradores nos processos da empresa. O autor do livro “Muito trabalho, pouco stress”, ainda questionou os participantes: quem não quer ter equilíbrio entre a vida pessoal e profissional?

O outro painelista a debater questões ligadas à comunicação interna foi Bruno Carramenha. O relações públicas e organizador do livro Ensaios sobre Comunicação com Empregados – Múltiplas abordagens para desafios complexos trouxe a sua visão sobre a comunicação interna: “As pessoas precisam encontrar sentido para o trabalho e a comunicação contribui para isso.” Carramenha ainda reforçou, entre outras coisas, que quanto mais engajados os profissionais estiverem, mais produtivos serão.

Periscope

Além da interação dos participantes por whatsapp, um dos diferenciais do “Painel Tendências da Gestão da Comunicação – Comunicação com empregados e o desafio do engajamento” foi a transmissão via Periscope, uma nova ferramenta para transmitir vídeos, por meio de dispositivos móveis. Por ser ao vivo, o Periscope possibilita a interação dos usuários. Durante o evento, por exemplo, internautas enviaram perguntas acerca dos desafios para o engajamento e questões gerais sobre a comunicação organizacional.

Livro

O evento também apresentou o livro Ensaios sobre Comunicação com Empregados – Múltiplas abordagens para desafios complexos foi dividido em quatro partes: Cultura Organizacional, Liderança e Engajamento, Planejamento e Mensuração, Veículos e Campanhas, reúne 27 textos e pretende ser referência para quem quer fazer a comunicação interna (ou comunicação com empregados) com eficácia.